Modern Drummer com o The Rev

06-03-2014 19:45

A revista Modern Drummer publicou uma matéria antiga e grande do Jimmy feita em Outubro de 2006 onde ele fala sobre a banda, bateria, técnicas e muito mais, se você ama música e até mesmo é baterista, vale a pena conferir a tradução abaixo: 

 

James
O grande baterista do Avenged Sevenfold mantém o metal old-school vivo 
com a força bruta, a precisão de uma máquina e um dom para o dramático

 

por Michael Parillo

Avenged Sevenfold não faz nada pela metade. De seus aliases malucos para seus braços coberto de tatuagens para os seus tempos vertiginosos aos seus lendários apetites hedonistas, os cinco membros da banda são dedicados ao excesso no metal clássico. Mas por trás da cuidadosamente cultivada imagem de bad-boys, que é incentivada pela imprensa, uma banda simples com uma sensacional sonoridade de  verdade: Este é apenas um monte de amigos que gostam de música pesada e puseram em tudo o trabalho duro que o domínio do metal  requer, longe das multidões rugindo e despojos da vida na estrada.

Não se engane, é preciso trabalhar. O guitarrista Synyster Gates (Brian Haner) não apenas rasga solos frenéticos enquanto situado na borda do palco. Ele está dando a seus fãs um espetáculo adequado, correndo quilômetros para cima, para baixo, e em torno de um palco bi-level do A7X, deixando queimar notas sem poupar gestos de guitar-hero. O mesmo vale para o cantor M. Shadows (Matthew Sanders), o guitarrista Zacky Vengeance (Zachary Baker), e o baixista Johnny Christ (Jonathan Seward), que começa um treino cardiovascular completo a cada noite ao entregar seus bens musicais.

Mas o homem que mais trabalhava no Avenged Sevenfold é James Sullivan, ou The Rev, se preferir, The Reverend Tholomew Plague. Empoleirado no alto atrás de seu kit de bateria, abaixo de uma enorme caveira  batendo suas asas de morcego e soprando fumaça, The Rev faz sua batida, bate de novo, e de novo. E então ele simplesmente esmaga em pedaços a música.

Sullivan é um baterista raro que pode combinar o poder, inteligência, requinte e bom carisma de metal old-fashioned. Como seu amigo guitarrista, ele dá a multidão muito para assistir exigindo seriamente sua música. Ele retira combinações de mão-pé complexas com precisão, em andamentos rápidos perversamente, e ele faz tudo isso ao mesmo tempo girando as baquetas. Ele corta seu kit com seus longos braços voando em extensão completa. Toda sua exuberância é uma grande razão pelo qual um show A7X é muito divertido.

"É engraçado", diz o baterista, "de todas as minhas influências, Tommy Lee é uma influência visual. Eu nunca pensei que eu ia ser um desses. "Crescer com seus companheiros de banda em Orange County, Califórnia" Sullivan, que agora tem vinte e cinco (ele tinha na época), tinha muitas influências musicais também. Sua estética no A7X foi moldada por ouvir do metal vintage como Vinnie Paul e Paul Bostaph, mas seus gostos incluem tudo, desde Oingo Boingo de Frank Zappa. Sullivan também cantou e tocou teclado em sua antiga banda, Pinkly Smooth, um projeto paralelo com Synyster Gates.

Mas é claro que oAvenged Sevenfold é o seu principal show, e City Of Evil é mais poderosa declaração da banda ainda.  O LP mistura de heavy metal com hard rock melódico, mostrando a influência dos artistas favoritos da banda como Pantera e Guns N 'Roses. Ele também reflete a decisão de M. Shadows de retirar boa parte dos gritos que caracterizou os dois primeiros lançamentos do A7X, Sounding The Seventh Trumpet, de 2001 e 2003 de Waking The Fallen.

O mal é um retrocesso para a idade dos metais épicos, um álbum que implora para ser escutado como um todo e não em pedaços. As músicas ainda melódica fazem Sullivan elaborar seus mais loucos e mais rápidos padrões criativos. E espere até ouvir como ele fez isso. Continue lendo mais sobre The Rev:

MD: Vamos começar pelo começo. Quando você começou a pegar nas baquetas?

Rev: Comecei a ter aulas de bateria quando eu tinha uns dez anos de idade. Na verdade, eu tive aulas de umas duas semanas, quando eu tinha cinco anos, mas o cara não me deixou tocar seu kit, porque eu era um garotinho. Aos dez anos eu tinha um kit da Sears, era meio de brinquedo. Meus pais me disseram que iam me comprar um kit real, se eu tive aulas durante um ano. E eu fiz. Eu sempre quis tocar.

MD: Você quis se manter estudando? 

Rev: Sim, por cerca de seis anos, até que cheguei no ensino médio. Então eu comecei a tocar em bandas todo o tempo e, eventualmente, acabei tocando até o presente. momento

MD: Você estudou diferentes estilos ou principalmente o rock?

Rev: Foi principalmente rock e funk (americano). Mas dentro de um ano, minha professora, Jeanette Wrate, tinha me feito tocar "The Black Page" [de Frank Zappa] e coisas assim. Ela foi treinada por Elvin Jones, e ela é realmente eclética, uma ótima professora.

MD: Uau. Aos onze anos de idade você já estava tocando "The Black Page"?

Rev: Ah, sim. Ela me colocou em seu colégio de percussão ensemble onde tocávamos Zappa, Bill Bruford e coisas desse tipo.

MD: Você gosta de Zappa e King Crimson e outros do rock progressivo? 

Rev: Eu gosto muito. Fui criado com esse material, tanto quanto rock e metal.

MD: Então você aprendeu a ler partituras? Isso é uma habilidade que você sempre tenta rever?

Rev: Eu não tenho lido muito nos últimos anos, mas é definitivamente ainda sei um pouco. Eu era muito bom nisso. Eu podia ler de vista.

MD: Parece que você era uma espécie de prodígio.

Rev: Obrigado, cara. Isso é o que eles disseram. [Risos] Qualquer criança de dez anos de idade, que é bom, eu tenho certeza que eles sempre dizem isso.

MD: Você tocava pedal duplo desde o início?

Rev: Não. Eu sempre tentei, mas eu nunca soube como começar com meu pé esquerdo para pegar a minha direita. Eu nunca pensei que pudesse ser tão rápido como eu queria estar no chute duplo até os últimos quatro anos ou mais. Eu percebi que é uma coisa de músculo: Você acabou de treinar os músculos. Isso foi mais difícil do que aprender qualquer estilo ou lição. Obter músculos para tocar pedal duplo é ridículo.

MD: Quando você começou, quais bandas você esteve?

Rev: Eu era louco por Pantera e Slayer e tentei roubar todos os seus solos de bateria. E agora é legal ser amigo de Vinnie Paul. Eu nunca pensei que iria acontecer. Ele é meu ídolo. Mas eu também estava comprando cada cd de Zappa e Chick Corea, coisas assim, para ouvir Bozzio e Weckl.

MD: Como o Avenged Sevenfold se reune?

Rev: Para mim, a banda foi formada logo após o colegial. Acho que Shadows e Zacky eram mais velhos na escola e estavam apenas brincando de tocar. E Synyster, Shadows, e eu temos sido melhores amigos desde a sétima ou oitava série. Nós tínhamos estado em bandas com o outro antes, mas não todos juntos.

MD: Será que as coisas começam a acontecer para a banda antes de você ainda ter a chance de considerar a música como uma carreira?

James Rev: Yeah. Nós estávamos apenas fazendo isso por diversão. A idéia de fazer dinheiro tocando música nunca passou pela minha cabeça. E, em seguida, foram oferecidas algumas oportunidades de pequenas turnês, e nós estávamos tentando caber em uma determinada cena em nosso primeiro disco. Apenas a idéia da turnê foi incrível. Chegar a deixar o estado parecia divertido. Nossa paixão foi a reprodução da música, por isso só fiz isso, e as coisas começaram a acontecer.

MD: Você tinha apenas dezoito anos quando fez a sua primeira gravação. Foi uma realização pra você?

Rev: É realmente divertido de se ouvir, na verdade. Ás vezes ouço novamente e vejo onde nossas cabeças estavam naquele momento. O disco todo é um preenchimento de bateria, e eu ia tão rápido com as minhas mãos. Isso era ridículo.

MD: Há um claro senso de melodia em execução através de sua música. Você gosta de pop, além de um material mais pesado? Acho que encontro um pouco de Queen às vezes quando eu ouço a banda.

Rev: Ouvimos um monte de Queen. Freddie é um dos meus cantores favoritos, e Brian May é um dos meus guitarristas favoritos. Todos nós esomos grandes fãs do Queen e fãs do Dream Theater, e eu sou um grande fã do Rush. Mesmo que sejam progressivos e eles são insanos, sempre há um gancho que pegamos. Somos fãs de algo mais puxado para o pop que soa bem.

MD: Eu li que vocês não são religiosos. Por que toda a imagens bíblicas em suas músicas? É só porque isso soa bem com a música pesada?

Rev: Nós temos uma canção chamada "Chapter Four", que é sobre o primeiro assassinato, que é uma história na Bíblia. Matt [Shadows] escreve todas as letras, e ele acha que o primeiro assassinato é uma história legal. As imagens sempre estavam no fundo de nossas mentes.Matt e eu fomos expulsos de colégios internos e escolas católicas e crescemos tendo a bíblia batendo em nós. Mas nós não estamos promovendo a Bíblia desta maneira ou aquela, ou denunciando-a, é apenas imaginário.

MD: Shadows teve alguns problemas com a sua voz antes de fazer este álbum. Será que isso influencia na sua decisão em mais cantar ao invés de gritar?

Rev: Lembro-me do dia em que ele decidiu parar de gritar. Foi o nosso último show antes de irmos para casa para escrever City of Evil. Matt estava muito, muito cansado de gritar. Ele passou por uma cirurgia um ano antes. Lhe tiraram um vaso sanguíneo em suas cordas vocais que se inflamasse se fecharia acima de sua garganta. Ele ainda podia gritar hoje se ele quisesse, mas ele ficou doente. Eu sou fã de algumas bandas que gritam, mas nós pensamos que toda a cena estava ficando para trás. Escrevemos tudo tendo em mente que nós não podíamos gritar mais, e, de repente, era muito mais divertido. Tudo é tão musical, é tudo sobre a melodia e riffs interessantes de guitarra em vez de apenas riffs simplórios uma e outra vez que você pode gritar de novo.

MD: Você toca com uma energia e seriedade em City Of Evil, como você está aproveitando a intensidade de um show ao vivo? Isso foi difícil de reunir?

Rev: Para obter a intensidade do palco, eu toco no estúdio com Synyster Gates e uso um metrônomo.Nós tocamos as músicas com um Click Live também, por isso nos sentimos no palco, só que sem a multidão gritando. 
Em Waking The Fallen, que queria simplificar tudo muito. Nós fizemos, mas às vezes eu não estava muito feliz com isso como um baterista. Foi bom para o cd, mas me segurei muito. Por isso eu não queria me segurar em todos os lugares quando eu era chamado para fazer preenchimentos loucos. 
Eu decidi que eu ia fazer cada parte escrita longe de tudo e todos e tentar tornar tudo mais criativo possível e não apenas o mais rápido possível. Estou muito feliz com a maneira como ele saiu. E eu quero superar isso no próximo álbum de cem por cento. 
É engraçado, porque eu quebrei minha mão quatro semanas antes de ir para o estúdio. Levou seis semanas para cicatrizar, por isso eu demorei duas semanas e depois continuei direto. Então, eu estava escrevendo as partes de bateria, com meu dedo indicador e o polegar imobilizados. Foi estranho. Eu estava esperando que eu seria capaz de tocar tudo na hora que eu cheguei ao estúdio.

MD: Você deve ter tido alguns momentos de se isolar e praticar muito sozinho para se preparar para gravar.

Rev: Sim, a primeira semana de pré-produção que iria tocar as músicas repetidas vezes durante todo o dia. Eu tinha acabado de me esgotar.

MD: Quando você está criando as canções, você apenas as escreve em sua cabeça, sem realmente tocá-las?

Rev: Eu estava meio que as tocando nas últimas semanas que minha mão estava melhorando. Mas, principalmente, quando eu chegava para fazer algum complemento louco, eu só fazia na minha cabeça.

MD: Você escreveria alguma coisa, daria uma olhada, e então tentaria levá-la para frente?

Rev: Sim, isso iria acontecer, e o oposto também. Eu tenho algo insano escrito na minha cabeça, e então quando eu toco com a música, seria totalmente pisar no pé de todos.

MD: Alguma vez você escrever suas canções no passado?

Rev: No primeiro disco eu não escrevia qualquer coisa, realmente foi tudo improviso, e eu gravei em um dia com apenas um take para quase todas as músicas, o que é ridículo. Portanto, há alguns erros lá, mas há também algumas merdas muito legais. 
Para o segundo que eu escrevi as batidas ficou muito bonito, e alguns dos preenchimentos, mas há um monte de improvisação nele. Era muito mais simples, de modo que eu não precisava de muita preparação. A preparação foi convencer-me a deixar tudo fácil.

MD: Como você tem construído a sua velocidade e resistência ao tocar?

Rev: A resistência vem de fazer shows ao vivo. Para a velocidade no pedal duplo, eu só tocar uma vez e aumentar o ritmo a cada dia e tocar somente com os pés. Eu praticamente só me matava no meu quarto. Minhas mãos, provavelmente, ter sido sobre este jejum por um tempo. Não é de se gabar nem nada, mas seria difícil para mim chegar mais rápido. Eu não sei se eu nunca vou ser capaz de fazer isso tudo sempre mais rápido. 
Ao vivo, vamos tocar todas as músicas do álbum mais rápidas e as mais rápidas do Waking The Fallen também. Toda vez que vou escrever novas batidas fica mais difícil. E a primeira semana é uma batalha. Eu não bebo muito na primeira semana, porque é difícil manter a minha resistência. Mas agora estamos nos últimos dias da turnê, e é puxado. Fazer um show ao vivo todas as noites realmente ajuda em maneiras que você provavelmente não pode obter apenas sozinho por si mesmo.

MD: Você aquece antes de você ir tocar?

Rev:  Eu aqueço me desligando de tudo uma hora antes do show, apenas para que meus músculos não fiquem como, "O que diabos está acontecendo?" Eu vou tocar demais nas primeiras duas músicas e pode começar a dar cãibras. É difícil com fones no ouvido, ainda mais porque eu não tenho meus chimbaus e pratos comigo nos ensaios. Por isso, é difícil se adaptar para não tocar errado depois.

MD: A sua caixa fica muito ajustada. Isso é uma forma de deixar os andamentos mais rápidos?

Rev: Sim, eu meio que precisa disso. Estou sempre deixando afinado e apertado ele.Você precisará dele assim para puncionar, da mesma forma para chutes completamente bem feitos. "Seize The Day" e "Strength Of The World" são canções muito mais lentas, e não há espaço para um som muito curto. Então tocamos um som mais longo. Mas a maioria das canções são escritas para ser rápidas e agressivas, então eu gostaria de algo mais ajustado e curto.

MD: Você é principalmente um cara que faz muito a técnica de batida única?

Rev: Definitivamente nesta banda. A nossa forma de misturar nossas gravações e ir para os nossos sons, todas as minhas notas abafadas e com golpes duplos geralmente se perdem, porque eu não posso fazê-lo tão forte e ajustado como na caixa. Mas espero a oportunidade de expandir um dia, porque quando eu vou mexer no kit é principalmente material rudimentar e não traços individuais. Existem algumas partes sobre City Of Evil que usam golpes duplos, como a pausa no final de "Burn It Down".

MD: Você pode fazer isso de maneiras diferentes, mas no meio de "I Won’t See You Tonight Part 2" em Waking The Fallen, você está tocando notas sozinhas nos baixos e depois as move para a caixa. Basicamente o mesmo padrão rápido vai dos pés para as mãos. Demorou um tempo para você conseguir sincronizar suas mãos e pés?

Rev: Lembro-me de trabalhar nisso provavelmente, alguns meses. Tudo começou com ouvir Paul Bostaph, baterista do Slayer. Ele faria um monte desse tipo de coisa. E Terry Bozzio faria coisas que eu não podia acreditar. Então eu fiz um esforço consciente para tentar dominar esses tipos de preenchimentos. Uma vez que você acha que tem dominado, há sempre coisas novas que você pode fazer com as mãos e os pés nesse sentido. Vou colocar 16ªnotas retas embaixo dos chutes quando estou tocando as mesmas com as mãos. Soa poderoso, e isso faz as pessoas se perguntam o que está acontecendo, quando na verdade é muito simples. Mas, principalmente, ele está indo e voltando entre as minhas mãos e pés. Eu amo isso.

MD: Mais ou menos relacionado a isso é quando você vai para o dobro do tempo ou divide a batida diferente em andamentos rápidos. Um monte de bateristas vai apressar ou arrastar em um padrão de contrabaixo em tempo duplo. Mas você alcança uniformidade por toda parte, tanto com a sua velocidade quanto sua colocação.

Rev: Obrigado, cara. O momento é muito difícil. Eu utilizo essa uniformidade para acelerar cada preenchimento e cada parte do baixo. Eu tive que trabalhar conscientemente sobre isso. Comecei fazendo quatro golpes com as mãos e os dois com os meus pés, e depois quatro e quatro, eu alterno. Depois que eu começo o baixo e mudaria para o "triplet" (03 notas tocadas em diferentes durações em uma batida regular). E, em seguida, três com as mãos e um com os pés. Em seguida, dois com as mãos e cinco com os pés. Isso começa a ficar interessante. Vou tentar fazer mais no próximo disco. Qualquer coisa que é difícil acaba soando louco, sabe?

MD: Você prefere dois baixos para um pedal duplo?

Rev: Depois DW disse que eu poderia ter o kit que eu queria, eu comecei a tocar dois bumbos. É mais divertido. Eu pensei que seria estranho, mas não foi. Foi muito confortável.

MD: Antes, então você tinha feito a maior parte de seu trabalho do baixo em um pedal duplo?

Rev: Certo. O pedal duplo é realmente muito mais difícil. Com dois chutes, ambos são o seu pedal, e não é preciso uma segunda divisão extra para transferir. Quero dizer, pedais duplos são grandes. Talvez seja uma coisa mental, mas parece mais fácil para mim tocar fazendo dois chutes.

MD: Você claramente passou muito tempo praticando. Você ainda pratica?

Rev: Quando eu estou me aquecendo é uma boa chance para eu praticar. Eu posso sentar e bater com os pés e alguns toques de baquetas, e é quase tão bom quanto tocar em um kit. Mas apenas tocar sua setlist toda noite é a melhor prática de sempre. Você elabora e improvisa um pouco quando você está tocando ao vivo, e que realmente se transforma na melhor prática. Então, em casa, só de pensar e tocando e brincando em seu quarto, que você recebe as melhores idéias. Você formula uma idéia em sua cabeça e, em seguida, ir praticar que é quando você pode resolver as coisas que você considerava dificéis.

MD: Você parece ter um jeito que se você passar uma semana sem tocar, você nota claramente em você a diferença. Isso já aconteceu?

Rev: Sim, totalmente. Quando você passa algum tempo longe você fica um pouco enferrujado e sua resistência cai. O máximo que eu já tirei de folga foi de quatro meses na época da escola quando eu realmente não toquei nada, e isso me assustou demais. Voltei no kit e eu senti que não poderia tocar mais nada. Foi quando me dei conta que a bateria é uma parte de mim. Assim, desde então, eu nunca mais tive um tempo livre dela.

MD: Vocês são notórios por sua vida selvagem turnê. É difícil ficar acordado para um show tão exigente quando vocês fazem quando estão na estrada?

Rev: É algumas noites. Se você ficar um pouco selvagem na noite anterior, isso afeta como você toca e torna as coisas um pouco mais difíceis. Eu gosto de ir com calma nas noite antes dos shows. Nós temos um dia de folga a cada três dias, para que você possa se soltar um pouco. O primeiro dos três shows em uma linha é sempre o mais difícil, porque seus músculos contraem-se no dia de folga. Então, como um baterista que eu realmente gostaria de tocar todas as noites. É como quando você está no estúdio e você não gosta de fazer pausas porque você não está aquecido após o intervalo. Eu fico louco quando o produtor nos pede para parar. [Risos] 
Além disso, uma das coisas mais difíceis são as cãimbras. É realmente difícil para os músculos.Eu faço exercícios do túnel do carpo, só para ter certeza que não terei problemas no pulso.

MD: Você teve problemas nos tendões ano passado?

Rev: Um pouco. Às vezes você tem cãimbras, ou problemas que cada baterista tem quando tocar ao vivo.

MD: Você já experimentou a técnica do dedo para lidar com isso?

Rev: Não muito, apenas alguns trechos. Eu aqueço para se certificar de que eu não terei cãibras, e eu me ritmo durante o set. Isso é muito bonito.

MD: Você percebeu já que sua aderência e técnica evoluiu ao longo dos anos?

Rev: Sim, definitivamente. Eu mudei. Eu tenho dois apertos diferentes para a minha mão direita quando tocamos ao vivo. Quando eu monto  os pratos, eu uso a boa aderência. Então eu fecho o meu aperto (da mão) um pouco mais quando eu estou fazendo os preenchimentos mais difíceis. Eu também toco com a baqueta entre meus dedos como Carmine Appice. Eu gosto de fazer um show e rodá-las o tempo todo, e eu hoje em dia não consigo colocá-las totalmente entre meus dedos, o que é estranho. É fácil se deixar levar em um show ao vivo, mas acho que acrescenta muito mais fazer tudo isso do que tira.

MD: Há mais uma coisa que eu tenho que perguntar: "The Rev" uma pessoa distinta de James?é 

Rev: Eu não me sinto assim. Isso é apenas no Avenged Sevenfold para mim, isso é o que somos nesta banda. Ainda é um pouco louco para se apresentar como The Rev.

MD: Você poderia chamar-se Dr. Plague ....

Rev: [risos] Eu faço isso de vez em quando. Minha noiva se chama Sra. Plague às vezes. Na verdade, eu acho que ela ter isso tatuado um dia.

Esta entrevista foi publicada originalmente na edição de Modern Drummer Outubro de 2006.